Conheça alguns aspectos da igreja no Vietnã

sergio 6 de outubro de 2017 0

O Vietnã é um país comunista, de maioria budista, com cerca de 9% de cristãos. Nesse contexto, imagine uma igreja que está organizando um evento evangelístico de três dias para 40 mil pessoas. Essa era sua esperança, mas as autoridades locais apenas permitiram um evento de um dia num lugar que comporta somente 3 mil pessoas. Ore para que os líderes não fiquem desencorajados e mantenham a ousadia de realizar o evento mesmo com número reduzido.

Um grande motivo de louvor para a igreja vietnamita é a construção do dormitório de estudantes no Seminário de Hanói, a capital do país. Uma igreja local teve a iniciativa de levantar os fundos para a construção, que foi feita fora do campus do seminário. Dois terços dos alunos vivem nesses dormitórios e o restante fica dentro do campus. O seminário está se preparando para a 35a Conferência Geral da Assembleia e está fazendo o que for preciso para que 300 pastores e evangelistas sejam reconhecidos. Ore por todo esse processo de preparação.

Como a perseguição se manifesta

Uma versão atualizada do Decreto 92, uma lei religiosa, está quase completa e será provavelmente implementada em janeiro de 2018. Essa lei pode deter, controlar e causar muitos problemas para a igreja. Ore por sabedoria para nossos irmãos, especialmente para os líderes, que estão encarregados de tomar decisões.

A perseguição é mais rígida na região noroeste do país, onde as autoridades criaram equipes para controlar e perseguir as igrejas. O proprietário de uma casa alugada para as reuniões da igreja foi obrigado a expulsá-los da casa, conforme um evangelista relatou a um parceiro da Portas Abertas. Além disso, quando questionados, são forçados a escrever o nome de todos os membros da igreja.

Alguns meses atrás, as autoridades tomaram a fazenda de Luam* pelo fato de ele acreditar em Jesus. Forçados pelas autoridades, os parentes dele o obrigaram a reconstruir o altar de sua antiga religião, mas ele se recusou. Então foram ordenados a bater nele, mas ele conseguiu fugir. Ele já tinha tentado voltar para seu vilarejo duas vezes, mas seus parentes sempre o recebiam com violência. Na terceira tentativa, ele conseguiu permanecer em sua comunidade. Em todas as tentativas, a igreja sempre o acolheu e ofereceu conforto. Louve a Deus por igrejas como essa que, mesmo em meio à imposição de tantas restrições, ainda recebem os cristãos perseguidos por sua fé.

*Nome alterado por motivo de segurança

Fonte: Portas Abertas