Índio traduz Bíblia para sua tribo: `O Evangelho purifica e valoriza nossa cultura´

sergio 4 de outubro de 2017 0

Um indígena xavante tem se dedicado há cinco anos aos estudos na faculdade de Letras com um propósito muito especial: traduzir a Bíblia para o seu idioma de origem, o akuén.

Para Silvério Orewawe, de 34 anos, o estudo da tradução no curso de Letras na Universidade Veiga de Almeida (UVA), no Rio de Janeiro, vai muito além de uma atividade acadêmica. Também é tido por ele como um trabalho apostólico, que o ajudará a cumprir sua missão: evangelizar outros indígenas da Reserva Parabubure, no município de Campinápolis (MT), que por ligação às raízes mais ancestrais, permanecem firmes na crença panteísta e mitológica, como dita a tradição.

Apesar de admitir que já houve ações precipitadas em tentativas de catequização de muitas tribos, Silvério afirmou que o Evangelho pode ser pregado de modo que respeite a cultura dos xavantes e demais povos indígenas e até mesmo purifique esta tradição.

“O Evangelho não destrói, ele purifica e valoriza a nossa cultura. Se eu for crente eu não minto, eu não bebo, não brigo e não fumo”, defende o missionário.

O histórico de conversão dos xavantes tem sido marcado por um processo complexo. Exemplo disso é que a primeira tradução da Bíblia para o akuén foi feita por dois missionários americanos, que demoraram 46 anos para concluí-la.

Além de Silvério, outros três colegas dele que vivem na reserva também estão se empenhando em realizar o trabalho de tradução. Até agora, o Novo Testamento já foi concluído.

Silvério espera usar a Bíblia traduzida por ele – incluindo correções de erros de traduções dos missionários americanos – para pregar na Igreja Evangélica Xavante, fundada também dentro da aldeia pelos missionários e evangelizar na aldeia.

A ideia, segundo Silvério, é fazer com que mais indígenas se convertam ao Evangelho.

Orewawe afirmou que tem esperança que cada vez mais indígenas sejam alcançados por Jesus.

Quanto ao avanço da tradução do Antigo Testamento, o indígena relatou que já está no livro do Êxodo.

Fonte: Guia-me / com informações do Olhar Direto